Versão 3.0 - Time Break

Olhe na seção "Resumo de Tramas" para ficar por dentro de tudo o que acontece na Soul Society ou no Japão!
Corram Todos!




Versão 3.0 - Time Break


 
Portal BleachInícioCalendárioFAQBuscarRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 Abrem-se as cortinas do passado

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Makkiu Watanabe
Lendários
Lendários
avatar

Mensagens : 1473
Data de inscrição : 24/06/2010

Sua Ficha de Personagem
Rank: S
Life Life:
300/300  (300/300)
Exp: Exp::
1000/1000  (1000/1000)

MensagemAssunto: Abrem-se as cortinas do passado   Sex 4 Nov - 14:35




Capítulo I- Primeiro ato



Seireitei- Casa principal do clã Watanabe (110 anos atrás)



Era uma manhã de primavera e o palácio já estava em polvoroso, os criados moviam-se freneticamente de um lado para o outro, podia-se ouvir os passos ecoando no piso de madeira nobre em cada corredor. Era o grande dia: o resultado do exame de admissão Shinigami daquele ano seria finalmente divulgado.

Embora o jovem mestre do castelo jamais tivesse sequer pisado na Shinoureijutsuin, a Academia de Artes Espirituais, devido ao seu raro nível de habilidade e poder ele havia prestado o exame. Somadas às capacidades do mais jovem dos Watanabe a linhagem nobre que seu nome carregava, sua aprovação era mais que certa e os preparativos para a comemoração eram a causa de toda aquela agitação.

- Waka-sama, Waka-sama! Chamava nervosamente a porta do quarto principal uma jovem criada do castelo. Perdoe-me a insolência! Shihouin-sama... Antes mesmo que pudesse terminar a frase uma voz séria a interrompe.

- Sim, eu sei.
O jovem mestre interrompe sem nem sequer ver o rosto da criada que estava à porta. Consigo sentir a Reiatsu dela, e de seu acompanhante... Diga para que sejam levados ao jardim das Sakuras, estarei os esperando no templo de lá. Se pudesse ele estaria em outro lugar, livre de todas aquelas futilidades, mas seus pais viriam de Seijoutoukyorin, a Floresta Tranquila de Torres Residenciais, a casa dos membros da Central 46, ele não poderia simplesmente escapar daquilo.

Do lado de fora do palácio Yoruichi Shihouin, a tutora particular contrada pelos pais do herdeiro da casa de Watanabe, esperava ao lado de um garoto loiro, de olhos azuis e impacientes.

- Ei, Yoruichi-Neesama, porque temos de esperar aqui?
Falava o impaciente garoto com certa irritação na voz. Eu odeio esperar, para onde estamos indo?

- Francamente Yui! Eu já te disse isso várias vezes! Nós estamos indo para a casa principal do clã Watanabe. Respondia sarcasticamente, como se explicasse algo muito simples a uma criança muito pequena.

- Ah, tá, para a casa da Kyomi.
Yui respondia com desdém.

- Não estamos indo para a casa da sua amiguinha de escola, estamos para a casa princi...

- E faz diferença?Interrompia o garoto.

-
É claro que faz diferença. Os Watanabe surgiram da união entre dois Shinigamis de elite e por isso desde sua primeira geração ocupam cargos na Central 46. Através destes cargos eles reuniram, em poucos séculos, um patrimônio material superior ao de qualquer outro clã e desde que salvaram os Kyoraku de uma crise, milênios atrás sua linhagem entrou na nobreza. Atualmente poucas famílias nobres não estão ligadas a eles e essas famílias que não estão ligadas a eles cortejam seus líderes para conseguir casamentos com seus filhos. Os Watanabe são o clã que tem maiores e mais fortes ligações com a Central 46.

-Tá, tá, mas o que a gente veio fazer aqui mesmo? Yui falava ironicamente até que... Ai!

- SEU PIRRALHO MIMADO! VOCÊ PRESTOU ATENÇÃO EM ALGUMA COISA QUE EU DISSE?

- Cof, cof. Um tossido educado anunciava a presença de um homem já velho, pelos trajes mais um criado do castelo.



- Shouin-sama, Watanabe no Waka-sama a aguarda no templo do jardim das Sakuras.
Diz polidamente em meia reverência a Yoruichi. Por favor, me acompanhem.

Yoruichi, interrompida quando batia na cabeça de Yui mantem-se quieta o que era raro, e segue em companhia do guia para o citado jardim. Yui ainda massageando o lugar onde levara um soco resolve quebrar o silêncio.

- Nee-sama, o que viemos fazer aqui de tão importante?

- Eu também te falei isso várias vezes, estamos aqui para entregar a aprovação de Makkiu, o herdeiro dos Watanabe no...

- E por isso você tinha que cancelar o nosso treino?
O garoto interrompe irritado a Yoruichi. Isso não é função da divisão de mensageiros? Porque você tinha que vir fazer isso?

- Porque ele entrará já como terceiro oficial.
Responde chateada.

- Então que viesse o Taichou ou Fukutaichou do esquadrão dele! Por que...

- Chega! Isso é mais complicado do que você pode imaginar. Aliais ninguém pediu para você vir.

- Como se eu fosse perder meu treino por alguém que eu nem conheço.

Novamente a tosse discreta do ancião pedia compostura dos presentes, mas desta vez o velho não fala. Ele apenas para diante dos nobres e fazendo nova meia reverência acena com o braço direito mostrando a entrada do jardim.



Belíssimo. Não poderia haver outra palavra para descrever o lugar. Os arbustos eram perfeitamente podados, a grama impecavelmente aparada, o templo amplo, maior do que muitas casas, praticamente uma mansão e as cerejeiras em flor criavam uma visão simplesmente belíssima. Uma visão que é rompida por gritos.

- Você quer que paremos de fazer isso? Dizia um Shinigami pisando nas costelas de uma garota que caída no chão só conseguia gritar. Nós somos Shinigamis, e fomos contratados para cuidar desse jardim. Novamente a garota grita de dor enquanto os demais Shinigamis, uns nove, cercavam um garoto. Quem você pensa que é para nos mandar sair daqui seu moleque? O dono desse castelo? A garota parecia abafar seus gritos, mas o garoto notava.

- Ela está sofrendo, parem. A voz do garoto parecia abafada, como se tentasse deter uma onda de fúria.

- Gostei do seu tom de voz, parece um animalzinho adestrado, ahahahahaha! Gargalhava outro Shinigami que também chutava a garota, fazendo-a gritar.

- “Animalzinho adestrado”? Silibava imapssível o garoto.É melhor tomar cuidado, pois quanto menos instinto demonstra mais perigoso um animal se torna ao fazê-lo. Este é o meu último aviso.

- “Este é meu último aviso”. Nós somos Shinigamis você acha que pode nos dar ordens?
Dizia um terceiro Shinigami.

- Minha irmã é uma Shinigami, ela guia as almas das pessoas e luta para proteger os mais fracos... Continuava ignorando o sarcasmo do Shinigami.Vocês não são como ela! Vocês não passam de monstros que ofendem os mais fracos para se sentirem fortes, não vocês nem sequer são monstros, são piores que isso, são vermes miseráveis!

- Já ouvimos demais, VAMOS! Dizia o primeiro Shinigami aos demais sacando sua Zanpakutou e partindo para a direção do garoto.

- Eu avisei! Falava "o alvo" em resposta.



Makkiu não se detém e avança na direção do primeiro Shinigami, que tenta acerta-lo com corte vertical, mas jovem mestre do castelo devia rapidamente para direita logo depois se agachando e aplicando com a perna direita uma rasteira nos calcanhares do oponente que cai no chão enquanto Watanabe se levanta erguendo a perna com qual derrubara o primeiro oponente e bloqueando e derrubando com um chute a Zanpakutou de outro Shinigami que antes de pensar em reagir já voava longe: Imediatamente após o chute Makkiu usara a perna direita como apoio para realizar um girar o corpo e realizar um chute com a perna esquerda.

- Bakudou Nº 4, Hainawa! Vendo o companheiro ser lançado, o Shinigami que antes chamara Makkiu de “animalzinho adestrado” tenta imobiliza-lo, mas devido a sua aguçadíssima percepção, o jovem Watanabe não apenas retrai a perna a tempo como agarra o Bakudou com a mão esquerda o usando para lançar o oponente contra um de seus companheiros, derrubando-os facilmente.

Os oponentes não se intimidam, outro Shinigami avança contra o garoto que gira o corpo da esquerda para a direita, colocando entre atacante e alvo o Hainawa que ainda segurava com a mão esquerda, logo em seguida o esticando o Bakudou com seu braço livre e bloqueando a lâmina.

- Lento demais. Dizia Makkiu agora ao lado do Shinigami cuja lâmina acabara de bloquear enquanto literalmente metia-lhe a mão na cara, lançando a cabeça e o corpo do adversário contra o chão que se rachava com a força do empurrão.

- ACABOU MOLEQUE! Tão logo ouvia o berro de outros dois covardes, o jovem Watanabe vê seus mais dois oponentes, um em cada lado seu, ambos com a Zanpakutou em posição de estocada.

- É realmente difícil pegar leve. Não consigo me segurar mais do que isso. Makkiu agora estava fora do cerco (que agora se resumia a três dos dez Shinigami que tentaram ataca-lo). No momento exato o garoto usara o Shunpo fazendo com que seus atacantes acertassem um ao outro.

O cerco agora estava estático. Cada um daqueles que se mantinha nele parecia apavorado e não era para menos, quatro segundo arás eram dez, agora restam três de pé e o responsável por essa derrota era um garoto, sozinho e que estava, depois desses quatro segundos, ileso.

- Pararam? Então agora estão dispostos a me ouvir? Dizia Makkiu num tom irônico. Pois bem, lhes darei uma última chance de saírem daqui. Ao fim de sua última palavra, o nobre libera, ou melhor, deixa de conter seu Reiatsu fazendo caírem imóveis no chão os Três Shinigami que ainda restavam do cerco dos quais um, o do centro, tentava olhar para o nobre enquanto lhe respondia.

- S-seu mostro! Você é um mostro! Derrotou sete Shinigamis sozinho, desarmado e sem nem ao menos suar... E realmente estava pegando leve! Esse Reiatsu! Como pode liberar um poder assim tão tranquilamente?! É insano, eu não consigo me mover, nem consigo olhar na sua direção!

- Voltarei a apagar minha presença e vocês poderão pegar seus amigos e sair daqui.
Dizia Makkiu em um tom de voz mais calamo. Também quero deixar bem claro que não os quero mais em propriedades minhas.

- Você é mesmo o dono do castelo!!! Diziam surpresos os shinigamis.

- Waka-sama! Waka-sama! Berrava eufórico o velho que subia correndo a escadaria do templo. Yoruichi e o garoto loiro empreendiam passo próprio, mais comum.

- Tudo bem, vai ficar tudo bem. Não precisa chorar. O nobre falava ao mesmo tempo em que tratava as feridas da garota, mas ela não parava de chorar compulsivamente.

Makkiu estudara Kidous medicinais por conta própria apenas para proteger sua irmã, Kyomi, mas ele via na Reiatsu da garota, uma criada, que embora moldasse seu poder com o intuito de proteger, tudo o que conseguia causar era medo.

- Eu pensei que nunca o veria descontrolado, mais do que isso, eu pensei que nunca o veria usar Hakuda, afinal você nunca estudou nada além de Kidou. A voz de Yoruichi estava diferente do normal, estaria ela assim tão surpresa.

- Cale a boca, eu não quero ouvir o que você tem a dizer. Novamente a voz de Makkiu parecia reter uma onda de fúria. O tratamento acabou. Abe, cuide dela até que se acalme e diga a todos que não quero ser incomodado até a comemoração da noite.

Em Shunpo extremamente veloz Makkiu desparecia. O jovem Watanabe nacera com excepcional habilidade sensorial e graças a isso era capaz não apenas de rastrear, mas também de não ser rastreado.

__________________________________________

Capítulo I- Primeiro ato: Fim

__________________________________________


Apreciamos a beleza de uma flor no penhasco
Porque nossos pés param a beira do precipício
Ao invés de como aquela flor,
Seguir em frente em direção aos céus.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Makkiu Watanabe
Lendários
Lendários
avatar

Mensagens : 1473
Data de inscrição : 24/06/2010

Sua Ficha de Personagem
Rank: S
Life Life:
300/300  (300/300)
Exp: Exp::
1000/1000  (1000/1000)

MensagemAssunto: Re: Abrem-se as cortinas do passado   Sex 4 Nov - 14:40


Capítulo II-Antes da batalha



Um verdadeiro turbilhão de pensamentos se apoderava da mente do jovem Watanabe. Ele se perguntava se aquilo que tinha feito era certo... Sabia que não. Perguntava-se se os Shinigamis teriam o obedecido caso os tivesse mandado embora... Tinha certeza que eles não sabiam quem ele era e que certamente avançariam contra ele antes que pudesse falar. Perguntava-se por que não havia conseguido se conter... Não sabia.

Já sem noção de onde estava ou mesmo de para onde iria, Makkiu decide parar exatamente onde estava: num dos inúmeros Karesansui, jardins de pedras, do castelo, onde sob uma cerejeira em flor, deita-se num íngreme telhado.



“O que aconteceu? Eu mal cheguei ao jardim, vi aquela cena e tudo pareceu se apagar da minha cabeça... Ela só estava pegando algumas Sakuras e quando eu os vi partindo para cima dela senti uma onda de fúria... era como se eu quisesse esmagá-los. O que foi que eu fiz?”

Perdindo entre pensamentos e lembranças o nobre fecha os olhos e de repente sente como se estivesse adormecendo. A presença das pessoas e do mundo em si pareciam desparecer ao mesmo tempo em que uma brisa extremamente calma e agradável levantava no ar um cheiro de grama.

- Que lugar é esse? Falava incrédulo ao abrir os olhos. Estava diante de um bosque exatamente como aqueles que desejava conhecer e a luz do lugar parecia acalma-lo, parecia apagar por inteiro todos os problemas, todas as preocupações.



Pé ante pé o Shinigami seguia adentrando por entre as árvores sem ter nada em sua mente além do próximo passo. A caminhada já parecia longa, mas não havia cansaço, era como se Makkiu estivesse em transe, num mundo só dele. Um transe rompido por um ruído que aos poucos tomava o aspecto de palavras.

- Makkiu! Makkiu! Acorde!
As palavras tomavam forma na voz de Yoruichi que apertava com suas mãos os ombros do “aluno”.

- Eu dormi? Perguntava confusamente a Yoruichi ao abrir os olhos e notar o pôr do sol.

- Sim, e deu muito trabalho encontra-lo. Preciso falar com você.
A voz de Shihouin que era sempre animada, chegando ao ponto de ser debochada agora parecia naufragada num misto de tristeza e seriedade.

- Eu não consegui não é? Dizia Makkiu cabisbaixo.Quero dizer, entrar no esquadrão da nee-chan.

- Você é o filho, o herdeiro dos Watanabe. Isso e os seus poderes... Você se destaca demais.
Enquanto falava Yoruichi tirava das vestes uma carta: a admissão de Makkiu. Como se não bastasse, o cargo de Terceiro Oficial do Kisoushuu ficou vago há pouco tempo... Continuava entregando a carta. Eles escolheram você.

- Não tem jeito de me... Makkiu era interrompido antes mesmo de terminar a frase.

- Não foi só o nome, eles não se deixaram enganar. Também te deram o cargo por sua força além disso você começa amanhã e tem mais. Yoruichi não dava espaço para que Makkiu pudesse falar: ela sabia muito bem o que ele iria dizer.

- Eu sei que eles não vêm. A voz do garoto parecia ainda mais desapontada. Sei também que eles não aceitam que eu negue o cargo e que querem que eu os represente hoje.

- Seus pais são juízes da... Agora era a vez de Yoruichi ser interrompida.

- Sim, eu vou me preparar para logo mais. Com licença. Dizia se retirando.

A noite chegara trazendo com ela, aos poucos, os convidados para o banquete de comemoração pela admissão do mais jovem dos Watanabe como Shinigami e em consequência a agitação do palácio aumentara.

Próxima a hora do jantar os convidados já estavam todos presentes, acomodados, aguardando a chegada do anfitrião. Em resposta a expectativa de todos, o mestre de cerimonias do palácio, Abe, surgia.

- Muito boa noite. Dizia o velho em um tom de voz alto, que dava as suas palavras ares de discurso. Permitam-me desejar que sejam muito bem-vindos a casa principal do nobre clã Watanabe e permitam-me também apresentar-lhes meu senhor, o grande herdeiro e jovem mestre do clã, Makkiu-sama.

Como se que seguindo uma coreografia, outros servos do palácio traziam um carruagem do estilo tradicional japonês, mas descoberta, na qual, banhado pelo luar e cercado pelo vento estava um distante Makkiu.



Um a um os presentes se dirigiam ao anfitrião, cumprimentavam-no, parabenizavam-no. O jovem Watanabe respondia cumprindo com as formalidades, a verdade e que ele sentia-se desconfortável naquele ambiente em que era o centro das atenções.

- Yo, Makkiu. Uma nova voz rompia o silêncio num tom debochado de provocação. Yui, garoto loiro de olhos azuis que acompanhava Yoruichi, se dirigia ao jovem mestre do lugar após todos os convidados o terem feito.

- Você é a primeira pessoa que fala comigo esta noite.
Respondia serenamente o garoto de olhos escarlates.

- E você é louco! Dizia o garoto de olhos azuis em tom de desdém. Todo mundo aqui veio falar com você...

- Não.Interrompe Makkiu.Eles vieram falar com o herdeiro dos Watanabe. A voz do jovem parecia
séria e distante demais o que fazia parecer que o garoto estiva perdido em lembranças.

- E quem seria esse mesmo?
Dizia Yui ainda ironicamente.

- Eu sou o único filho homem dos líderes da família mais rica entre os clãs nobres, sei que nasci numa posição privilegiada, que muitos gostariam de estar no meu lugar... Você acha que alguém estaria aqui se não fossem por esses títulos?

- Seus empregados estariam afinal você paga a eles para trabalharem na sua casa.
Responde o jovem Matsudaira numa tentativa mista de provocar.

- Nem eles. Respondia Watanabe provando ser falha em todos os aspectos a tentativa de Yui. Olhe bem para eles quando falam comigo, não falam com respeito, falam com medo. Na verdade é assim até com os meus pais, as únicas pessoas que me tratam diferente, que me chama pelo meu nome e não pelo meu sobrenome são a nee-chan e a Yoruichi, mas essa...

- Se você acha que a Yoruichi-neesama te trata bem só porque ela é contratada como sua professora caia em si, ou você realmente acha que ela se daria ao trabalho de vir até aqui, te procurar da manhã até o pôr se não se importasse com você de verdade?
Responde Yui interrompendo Makkiu. Francamente, não sei como colocam alguém tão cego para ser Terceiro Oficial logo de cara.

-Você não está chateado por ter pedido seu treino não é? Perguntava Makkiu
descontraidamente.

- Não me espere dizer isso novamente, mas você não é o único que sabe o que é se sentir sozinho. E se quer mesmo saber, me irrita muito mais você ter entrado como Terceiro Oficial, mesmo sem treinar nada além de Kidous enquanto eu entrei como Quinto do que qualquer outra coisa. Afirmava Yui com sinceridade.

- Tanto a sensei quanto a nee-chan me falam muito sobre você, entenda que você não está sozinho, você tem amigos.

- Cale a boca e entenda isso você primeiro. Aproveite e entenda que você é irmão da Kyomi, que é minha amiga então...

- Aceitemos os dois e bem, agora preciso ir. Dizia Makkiu se interrompendo Yui ao se despedir. Amanhã será minha primeira missão.




__________________________________________

Capítulo II- Antes da batalha : Fim

__________________________________________


Apreciamos a beleza de uma flor no penhasco
Porque nossos pés param a beira do precipício
Ao invés de como aquela flor,
Seguir em frente em direção aos céus.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Makkiu Watanabe
Lendários
Lendários
avatar

Mensagens : 1473
Data de inscrição : 24/06/2010

Sua Ficha de Personagem
Rank: S
Life Life:
300/300  (300/300)
Exp: Exp::
1000/1000  (1000/1000)

MensagemAssunto: Re: Abrem-se as cortinas do passado   Sex 4 Nov - 14:43

Capítulo final- Zanpakutou



Até mesmo o sol parecia fraco naquela floresta onde a própria vegetação, seca, torta, feia, parecia perder a vida. Entre um passo e outro o jovem Watanabe se perdia em recentes memórias.




- Seja bem-vindo, sou Tessai Tsukabishi, Capitão do Kisoushuu.
Dizia detrás da mesa de sua sala, o homem alto de óculos, cabelo e bigode negros a Makkiu. Hoje é o seu primeiro dia, mas espero que entenda que como Terceiro Oficial...

- Tsukabishi-Taichou, perdoe a intromissão.
Interrompia uma voz grave vinda de fora da sala do capitão. Mensagem da unidade em Zaraki.

- Pode entrar. Respondia o Capitão.

- Com sua licença. A porta se abria revelando um homem agigantado, de bigode rosa e cabelo de mesma cor no qual se via em preto o símbolo do Kidoushuu. Acabamos de receber um relatório confirmando a localização do ninho dos Hollows junto com um pedido de reforço. Aparentemente estamos lhe dando com Hollows prestes a evoluir. Pelo Reiatsu e pelos trajes diferentes ao dos demais Shinigamis o jovem Watanabe deduzia tratar-se do tenente.

- O octogésimo distrito é praticamente uma floresta e a maioria dos que moram lá são tão selvagens quanto animais.
Respondia Tessai pensativo. Precisamos evitar interferências, além disso, se os Hollows estão prestes a evoluir não podemos simplesmente cerca-los e ataca-los.

- Sim, o melhor seria atraí-los e captura-los em armadilhas. Afirmava o gigante de cabelos
rosados.

- Hoje haverá a reunião de despedida da capitã do Décimo Segundo Esquadrão...


- Taichou! Exclamava o gigante com um misto de medo e repreensão na voz.

- Tudo bem, não se preocupe, ele é o novo Terceiro Oficial.
Respondia Tsukabishi. Que erro o meu, Makkiu Watanabe, Hachigen Ushōda.

- Sou o Tenente do Kisoushuu, prazer em conhecê-lo.
Dizia Hachigen. Espero que me desculpe a reação de agora a pouco, mas tratava-se de um assunto confidencial.

- Não posso faltar à reunião e na minha ausência você não pode se ausentar do esquadrão, Ushōda-san
. Interrompia Tessai a apresentação. Com a possibilidade de aparecimento de Menos precisamos enviar o mais forte Shinigami disponível no esquadrão, e nesse momento...

- É mesmo o melhor a se fazer?
Retruca Ushōda. Desculpe-me Makkiu-dono, mas é o seu primeiro dia. Falta-lhe experiência.

- Vejamos se vale a pena confiar nele.
Diz Tessai voltando-se a Makkiu. Makkiu-dono, o que você faria se assumisse o comando da unidade em Zaraki?

- Primeiramente capitão, eu solicitaria um relatório completo sobre a operação: desenvolvimento da investigação, levantamento do número de Shinigamis envolvidos, dados do terreno... Respondia o jovem Watanabe após um leve suspiro.

- E depois?
Interrompe o capitão.

- Traçaria um curso de ação dividindo a tropa por ordem de prioridade em grupos de isolamento do local de combate, grupos de ataque e grupos de interceptação.

- O que acha Fukutaichou? Indagava Tessai.

- Eu não faria melhor.Respondia Hachigen.


Uma formação rochosa era visível do ponto em que Makkiu e um grupo com quinze Shinigamis estavam. O jovem Terceiro Oficial era trazido de volta ao presente pela pergunta de um dos presentes.

- Comandante, esperaremos aqui?

- Até que recebamos a mensagem dos responsáveis pelo isolamento confirmando que as pessoas da vila atenderam ao toque de recolher, sim.
Respondia Makkiu a todos. Ocultem seus Reiatsu até entrarem em combate e espero que tenham memorizado o caminho, saber o local de cada armadilha é a nossa função como iscas.

A noite caia com o silêncio terrível, o silêncio que é como uma calmaria antes da tempestade, o silêncio que antecede uma batalha. Quebrando a tensão do ar, uma Borboleta Infernal se dirigia a Makkiu.

- O toque de recolher foi acatado, revisaremos a estratégia de ataque mais uma vez.
Alertava Makkiu com a Borboleta negra posada sobre o indicador direito. Na base daquela formação rochosa há uma enorme caverna, o ninho dos Hollows. Prosseguia enquanto os Shinigamis se aproximavam. Há apenas uma entrada então invadiremos de uma vez e a estratégia será de Entrada Dinâmica, ou seja, devemos exterminar todo obstáculo com o qual nos depararmos. Ao meu comando recuaremos e quando estivermos fora da caverna iremos nos separar atraindo o maior número de Hollows para as armadilhas, depois disso devemos nos reorganizar e preparar emboscadas até que todos os inimigos tenham sido derrotados.

A situação era favorável. A lua brilhava tão intensamente que rompia quase que por inteiro a escuridão da floresta, o vento estava forte e seguia levando qualquer cheiro na direção contrária à caverna, os Shinigamis ocultavam seus Reiatsus, mas embora a situação estivesse favorável a tensão era nítida no silêncio tenso que pairava no caminho rumo ao ninho dos Hollows.




Havia uma fenda no teto do ninho e sob ela uma imensa poça d’água que refletia a luz do luar iluminando o centro da entrada. Os Shinigamis dividem-se seguindo pelas bordas da caverna, que permaneciam no escuro.

- Preparem-se.
Sussurrava Makkiu à guarnição minutos depois de terem passado pela parte iluminada da caverna enquanto sacava sua Zanpakutou. Atacar! Tão logo o jovem Terceiro Oficial dera a ordem uma série de urros fazia-se ouvir.

Os Hollows se aproximavam em grande quantidade. Em resposta metade dos Shinigamis avançava desembainhando a Zanpakutou enquanto a outra metade preparava Bakudous.




- BAKUDOU Nº 62 HYAPPORANKAN!!! O berro uníssono dos Shinigamis que ficaram mais atrás era seguido de milhares de bastões de luz que avançavam contra os Hollows, prendendo uns melhor do que outros, mas detendo dezenas de inimigos.

Comandada por Makkiu, a linha de frente atacava os inimigos caídos os cortando mortalmente de cima para baixo, da esquerda para direita, reta e diagonalmente. Rapidamente uma segunda rajada de Bakudou atinge outros Hollows, mas os Shinigamis já não tinham tempo de atacar os oponentes caídos: a quantidade de feras aumentara a tal ponto que a linha de frente fora atravessada.

- DISPERSESAR!
Ordenava o jovem Watanabe enquanto os Shinigamis que até então se limitavam a lançar Bakudous começavam a lutar diretamente. SE PRECISAREM DE AJUDA PEÇAM! Berrava Makkiu enquanto partia um Hollow ao meio.

“Dispersando-nos aumentamos a área de alvo e diminuímos a concentração do ataque deles... Quando o primeiro pedir ajuda, vou ordenar o recuo, sairemos antes que haja vítimas e com sorte já teremos causado um bom número de baixas antes de apelarmos para as armadilhas.”

- COMANDANTE!!!
Berrava uma Shinigami ao ver faixas de pano surgirem atrás de Makkiu que era rapidamente cercado e aprisionado por elas.

- Mas, o que?! O jovem Watanabe estava confuso, embora fosse dotado de uma capacidade sensorial absurda não havia percebido o ataque daquelas faixas que agora lhe imobilizavam comprimindo seu corpo. “Não posso permitir que guarnição fique sem comando ou então...” RECUAR!!! No instante em que falara o Terceiro Oficial nota o ataque de um Hollow, do qual não poderia fugir, é então que um brilho negro surge da Zanpakutou do jovem Watanabe desintegrando o Hollow.

- Mas o que é isso?
A indagação do Shinigami mais próximo de Makkiu seguia-se de uma série de baques surdos: tanto a guarnição quanto os Hollows estavam caídos no chão enquanto no ar o brilho negro se expandia fazendo vibrar uma Reiatsu esmagadora.

“Está se espalhando! Se isso pegar eles...”


- SAIAM DAQUI, AGORA!!!

- Não dá comandante, tem algo... Algo nos empurrando... Contra o chão.
Respondia um Shinigami
prestes a ficar inconsciente.

- Droga... Quando estiverem fora da caverna, corram para o mais longe que puderem.
Falava Makkiu num tom que apesar de baixo era audível a todos. Irei empurra-los... AGORA!!! Com o rugido do jovem, uma Reiatsu simplesmente anormal tomava conta do lugar, movia o ar e empurrava os Shinigamis para fora do lugar. “Não consigo mais conter...”

Tudo parecia desaparecer num mar de trevas, Makkiu estava estava perdendo a consciência e sabia disso, mas de um instante para outro sente uma brisa que carregava um cheiro familiar: estava no bosque que visitara no dia anteirior.

- Conseguiu chegar aqui em tão pouco tempo e sem nem ao menos saber onde está?
Um tom de voz irônico ecoava, mas apesar de sua habilidade sensorial, sempre tão aguçada Makkiu não identifica de onde vinha. É mesmo um gênio prodigioso! As últimas palavras vinham em tom de provocação.

- Onde estou? Foi você que me trouxe para cá? O olhar do nobre mudava, as últimas palavras representavam aquilo que ele mais odiava, a forma como praticamente todos o viam: por seu poder.

- É isso que eu mais odeio em você. A voz provocativa tornava-se fria. Eu sei que você odeia seus poderes, que odeia quando os notam, ignorando a você mesmo... Passos começavam a se tornar audíveis. Mesmo assim, até quando você não vai demonstrar aquilo que sente... ATÉ QUANDO VAI ME IGNORAR?

“Como ele... ele me conhece?” Pensava Makkiu assustado vendo sua mente praticamente ser lida por alguém que nem sequer estava vendo. Quem é você? Apareça! Bradava o jovem Watanabe.Como quer que eu não o ignore se você nem ao menos aparece?

-Você que não esta olhando na minha direção.
Respondia a voz agora com ressentimento.


- O que é você? Ao virar-se na direção da voz Makkiu se depara com um rapaz franzino, pálido e de cabelos negros listrados de forma que cada fio parecia um olho, e por mencionar olhos o rapaz tinha três igualmente vermelhos. Que lugar é este?



- Seu tom é muito mais de surpresa do que de medo. O rapaz se dirigia lentamente para Makkiu, parecendo extremamente ameaçador. Você é mesmo um gênio infame já entendeu não é? Novamente a plavra gênio era ressaltada em provocação.

- Me responda. A voz de Makkiu era fria e decidida tal qual seu olhar. Tudo parecia conferir ao jovem Watanabe uma aparência imperativa.

- Você sempre me suprimiu, sempre negou minha existência... ACHA MESMO QUE PODE ME DAR ORDENS?

- Suprimir? Do que vo... Antes mesmo de concluir a frase Makkiu é interrompido.

- Não lembra? Agora a pouco, quando salvou aqueles Shinigamis... Não você lembra, lembra sim. O poder de esmagar tudo, a forma como o seu Reiatsu cresceu... Como o seu lado maligno cresceu! A insanidade corria na voz inconstante do rapaz, era como se ele estivesse se apresentando.

- Você não é Hollow nem Shinigami, parece que eu tenho uma Zanpakutou bem problemática. Makkiu havia entendido tudo: a razão pela qual se sentia tão bem naquele lugar e o porquê de sua habilidade sensorial não funcionar. Aquele era seu mundo interior.

- “Tenho”? Não fale como se fosse meu mestre. Agora a voz parecia irônica, a inconstância naquela figura parecia transbordar insanidade. EU NUNCA VOU ACEITAR SUA EXISTÊNCIA!!!

- Você não tem o que aceitar. Em contraste ao urro louco da Zanpakutou o mestre mantinha-se tão sereno quanto o lugar em que estava. Sua vida só se mantém enquanto eu existir, você é uma prova da minha existência.


- Cale a boca... cale a boca, cale a boca, cale a boca, cale a boca, cale a boca, CALE A BOCA!!! EU VOU TE ESMAGAR COM TODO O MEU PODER!!!


- Isso siginifica... Bankai?!
Falava Makkiu surpreso.

- Eu não preciso de algo tão fraco quanto Shikai, se quiser uma me domine, me sele e cire uma porque quando eu desperto da forma Asauchi eu estou na minha liberação plena!

-Então eu só preciso suprimi-lo e criar o Shikai como um selo? Bom saber, assim não preciso me conter. Fala tranquilamente o Shinigami enquanto uma foice de cor negra e metálica, traçada por correntes e adornos dourados fosocos, se materializa em suas mãos o surpreendendo.

-EU NÃO VOU PERDER PARA VOCÊ!!! SUMA!!!!
Berra a Zanpakutou avançando com uma foice idêntica nas mãos.

Não apenas a caverna, mas toda a formação rochosa havia sido desintegrada. Não sobrara nenhum Hollow e nenhum Shinigami havia se ferido. Makkiu era o único hospitalizado.

- Ele está completamente exaurido, é como se tivesse perdido todo o Reiatsu do corpo. Falava Tessai a Yoruichi. Até mesmo os cabelos mudaram de cor, digo, a parte branca ficou loira.

- A verdade é que Makkiu nasceu com uma Reiatsu de proporções e características completamente anormais. Respondia a capitã olhando para o leito em que se encontrava inconsciente o jovem Watanabe. O nível era praticamente o de um tenente.

- O que disse?!
Indagava com uma expressão de espanto o líder do Kisoushuu.

- Não se culpe por não saber, o poder dele sempre foi restringido por selamentos e o próprio Makkiu foi educado para suprimi-lo ao máximo. Dizia agora se voltando a Tsukabishi. Os olhos vermelhos e os cabelos brancos são decorrentes da concentração de Reiatsu no corpo dele, normalmente são ambos amarelados.

- Se ele controla tão bem um poder desse nível não consigo entender como ele perdeu o controle?


- Não há como ele ter perdido o controle. Afirmava inabalável a mulher.Se ele está exausto é porque usou todo o poder que tinha intencionalmente.

- Segundo os relatórios, a guarnição estava dominando a batalha e o curso de ação estava muito bem sucedido, até que...
Tessai fazia uma pausa como que para pensar.

- Até que? IndagavaYoruichi.

- Segundo as testemunhas todos no local, Hollows e Shinigamis, foram derrubados por uma pressão estranha logo depois que Makkiu-dono sofreu um ataque surpresa...

- Impossível! Interrompe Shihouin. Esse idiota tem uma percepção espiritual melhor que a de nós dois juntos, é impossível que ele sofra um ataque surpresa.

- Mas é o que dizem os relatórios. Dizia ele entregando um pasta a Yoruichi.

- Mais alguma coisa estranha aconteceu?
Perguntava ela abrindo a pasta.

- Na verdade, tem mais uma coisa. Respondia sério. Segundo o relatório uma estranha energia negra tomou a lâmina da Zanpakutou de Makkiu-dono momentos antes da destruição do ninho.

- Não acredito que ele tenha liberado a Zanpakutou! Exclama Yoruichi de olhos arregalados.

- Liberado?
Tessai balança a cabaça negativamente. Impossível, nenhuma frase de liberação foi ouvida e segundo as testemunhas era possível ouvir cada palavra dita no local.

- Eu mesma assisti o exame dele, o Shikai de Makkiu foi confirmado como sendo uma energia negra se envolvia a lâmina da Katana após ele falar “Katsu” e “Shigeki”...


- As palavras não foram ouvidas juntas? Falava se levantando.

- O que você está querendo dizer? Que ele possui o Bankai? Shouin falava como se aquilo
passase de absurdo, como se fosse algo totalmente ridículo.

- “Katsu” é um mantra e “Shigeki” é parte do lema dos Watanabe, seria lógico que ele disses ambos para se motivar. Respondia Tessai ignorando o tom de Yoruichi que parecia querer dizer que ele estava caindo no ridículo. Não consigo pensar em outra forma de se liberar a Zanpakutou sem chamar o nome e seria perfeitamente lógico que ele tivesse perdido o controle do poder espiritual no Bankai.

- Ele nunca treinou nada além de Kidou. O que sabe de Hohou aprendeu literalmente brincando com a irmã, em termos de Zanjutsu e Hakuda ele só sabe o que viu em torneios... E... Quanto mais falava mais Yoruichi achava lógica na teoria do colega.

- Em outras palavras, ele consegue dominar técnicas como se fossem brincadeiras, só de olha-las. Conclui o líder do Kidoushuu. E vamos pensar um pouco, se quando nasceu o poder dele estava praticamente no nível de um tenente não é nada inimaginável que agora esteja no nível de um capitão.

- Ele passou a vida trancado em castelos, sendo exilado do mundo e taxado de monstro e os pais não tinham tempo para ficar com ele por serem juízes da Central... A única razão que o levou se tornar Shinigami foi para ficar perto da irmã, a única pessoa que se importava com ele. A voz de Yoruichi parecia se perder. Se for isso mesmo, então “eles” com certeza irão recrutá-lo, e esse sonho bobo se tornará impossível.

- Talvez seja o melhor, afinal estamos diante de alguém capaz de superar o próprio Genryuusai. Dizia Tessai com uma voz de consolo, batendo no ombro de Yoruichi.


Seireitei- Quartel general do 4º Esquadrão unificado ao Kidoushuu, Tulipa (110 anos depois)




- Hã? Despertava um já adulto Makkiu. "Sonhando com o passado... Será que é porque as coisas vão mudar agora?" Pensava o capitão se levantando e seguindo para a saída de sua sala. Os documentos estão prontos, hora de concluir a minha missão. Por fim o jovem Watanabe deixa sua sala, seguindo para Reiōkyū, O Palácio Do Rei Espiritual.


__________________________________________

Capítulo final-Zanpakutou: Fim

__________________________________________


Apreciamos a beleza de uma flor no penhasco
Porque nossos pés param a beira do precipício
Ao invés de como aquela flor,
Seguir em frente em direção aos céus.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Abrem-se as cortinas do passado   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 

Abrem-se as cortinas do passado

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 

 Tópicos similares

-
» Abrem o olho - Leilão barão
» Boston - A tempestade
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Versão 3.0 - Time Break :: Cenários-